A ACBANTU

APRESENTAÇÃO

A Associação Nacional Cultural de Preservação do Patrimônio Bantu – ACBANTU, criada no dia 08 de dezembro de 2000, tem como objetivo principal reunir pessoas e grupos a fim de dar visibilidade à história da Civilização Negra Brasileira, resgatando as tradições, promovendo e incentivando ações culturais, buscando garantir que os Povos e Comunidades Tradicionais Afrodescendentes gozem, de fato, dos direitos civis e políticos inerentes a nação brasileira.
Atualmente, nossa Associação está composta por mais de Três Mil e Oitocentos Povos de Terreiro de diversas etnias e Quarenta e Oito Comunidades Quilombolas do Estado da Bahia, além de Comunidades Extrativistas e de Pescadores Artesanais, Grupos Culturais de Capoeira Angola e Sambas de Roda.

Estamos presentes em 17 (Dezessete) Estados do Brasil, organizados em Coordenações da seguinte forma:
Região Nordeste: Bahia, Ceará, Sergipe, Pernambuco, Maranhão, Piauí;
Região Norte: Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia;
Região Centro Oeste: Brasília – DF, Goiás;
Região Sudeste: Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo;
Região Sul: Rio Grande do Sul.

DIRETORIA

Presidente: Raimundo Nonato da Silva – Taata Lubitu Konmannanjy;
Vice Presidente: Carlos Alberto Sales – Taata Dunjitó;
Tesoureiro: Antonio Pinheiro da Cruz – Taata Jilekanga;
Secretária: Geurema Passos Santos – Mametu kwa `Nkisi Lembamuxi;
Diretor Cultural: Jander das Neves – Taata Xikarongoma Kitaloango;
Diretor Social: Raimundo Bispo – Taata kwa `Nkisi Kafunji Mavil;

CONSELHO FISCAL:

Titulares:
Marcelino Santos – Tata Xikarongoma Ajadeí;
Fernando Santos de Jesus – Taata Kambandu Tumbazenzê;
Nadjara de Jesus Silva.
Suplente: José Mário Conceição.

DEPARTAMENTOS:

Patrimônio Imaterial: Jander das Neves (BA), Itana Mª Ribeiro das Neves (BA);
Bakeentu (Mulheres): Nesla Janeth Teixeira Lima (AM), Valdeci da Hora (BA)
Agricultura Familiar: Aurea da Luz, Francisca Farias (BA);
Capoeira: Mestre Romualdo Santos (BA);
Congada: Rosângela Paulino – Comunidade dos Arturos (MG);
Quilombo: Maria Venina Barbosa (MA), Helena Braga (BA);
Kubanda (Pesquisa): Raimundo Konmannanjy (BA); Oneide Rodrigues (PA), Alzeni Thomaz (BA);
Africanos Bantu: Pedro Makumbundu Kitoko –Angola;
Ndeenge (Juventude): Fernando de Jesus, Sidnei Argolo, Nadjara Silva (BA);
Mbutu (Meio Ambiente): João Reis e Hildelcilia Cabral (BA);
Maviimpi (Saúde): Ruben Silva (RS) e Leda Maria Câmara (BA)
Mbuta (Idoso): Maria Lucia Brito e Carlos Sales (BA);
Etnodesenvolvimento: Marival Lima dos Santos, Ana Placidinoe Rosa Vidal (BA);
Crianças e Educação Popular: Vilma Cristina Nascimento e Ednalva Santos (BA),
Samba de Roda: Matilde Candido Sousa e Alvacélia Medeiros (BA);
Comunicação: Luiz Leno Farias (CE) e Raoni Silva (BA);
Segurança Alimentar e Nutricional: Cleudo Andrade Junior (CE) e Nadja Castro (PE);
Teatro e Dança: Ioná Pereira da Silva e Edson Bispo (BA);
Pescadores Artesanais: Raimundo Bispo, Ornelas Nascimento (BA).

REALIZAÇÕES COM DESTAQUE

Mobilização Povos de Terreiro no Brasil: Desde o ano de 2000 a ACBANTU vem mobilizando as Comunidades para levarmos as nossas demandas às esferas do governo e da sociedade. Estes Povos de Terreiro acreditaram, apoiaram e participaram ativamente nesta luta e a transformaram em um movimento histórico que marca a nossa geração mostrando a importância e o significado da nossa Ancestralidade, Cultura, Filosofia, Ciência, a vivência com a Natureza, Respeito à Diversidade e Amor;
Distribuição Emergencial de Alimentos: A partir da experiência e metodologia exitosas realizadas pela ACBANTU na Bahia, o Governo Federal decidiu pela inclusão de Povos de Terreiro de todo o país na ação de distribuição emergencial de cestas de alimentos;
Alimentação Escolar Quilombola: Como membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional a ACBANTU participou de uma reunião realizada no FNDE: Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, onde solicitou que a alimentação escolar das Comunidades Quilombolas tivesse o mesmo per capita da alimentação escolar dos Povos Indígenas (ou seja, o valor em dobro). A solicitação foi aceita e os Municípios que declaram a existência de Comunidades Quilombolas, em todo o país, passaram a receber o valor percentual em dobro;
Produção coletiva de alimentos agroecológicos: A ACBANTU é a única instituição de Povos de Terreiro no Brasil que possui a DAP Jurídica e SIPAF, organizando e acessando o Programa de Aquisição de Alimentos em Hortas Comunitárias de Povos de Terreiro e Comunidades Quilombolas. Por este motivo, recebemos a visita de Delegações de Países Africanos com os quais o Brasil realiza parcerias para a superação da fome, tais como: Moçambique, Kênia, Ruanda, Angola, dentre outros;
Participação da Missão Brasil – África: Participação na missão que ocorreu no país de Ghana, durante o mês de Julho de 2011, com destaque para o diálogo sobre a metodologia utilizada pela ACBANTU para a produção agroecológica de alimentos em comunidades e povos tradicionais e sua aplicação na dinâmica em hortas comunitárias para alimentação escolar no país;
Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal: Em sua atuação junto à Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais a ACBANTU assegurou a inclusão no Cadastro Único de campo específico para identificação de famílias de Povos de Terreiro. Devido a esta inclusão a ACBANTU vem assessorando os gestores públicos para a identificação e efetiva inclusão destas famílias.

PREMIAÇÕES

Certificado Instituição Parceira Fome Zero Nº 67: Recebido das mãos do Presidente Lula em 2007, no Palácio do Planalto. Vivemos um momento histórico onde os Povos de Terreiro foram reconhecidos como protagonistas na consecução de programas sociais do governo federal;
Medalha da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação: Recebido das mãos de seu presidente, Dr. Jacques Diof, a medalha foi entregue no Terreiro Mansu Baundu Kuê Kuê de Jinkinasaba Filha – Salvador, em reconhecimento ao trabalho prestado a serviço da população negra no Brasil: 2007;
Medalha Zumbi dos Palmares: Outorga recebida da Câmara Municipal de Vereadores de Salvador em 2013;
Prêmio Economia Criativa: Ministério da Cultura: 2012;
Prêmio III Idéias Criativas alusivas à Comemoração do Mês da Consciência Negra: Ministério da Cultura/ Fundação Cultural Palmares: 2013;
Selo de Identificação de Participação na Agricultura Familiar: SIPAF: DOU 10/12/13 – Ministério de Desenvolvimento Agrário;
Comenda de Mérito Cultural da Bahia – Categoria Junior : 05/11/2014 – Secretaria Estadual de Cultura da Bahia.

ORGANOGRAMA DA ACBANTU

EIXOS ESTRATÉGICOS, PROJETOS E AÇÕES DA ACBANTU

: